De onde vem o tirititrán?

2 Pilar Lopez 1Na minha classe de flamenco, eu já tinha escutado da maestra Silvia Canarim que havia sido o cantaor gaditano Ignacio Espeleta, o criador do famoso tirititrán das alegrías. Mas agora encontrei um vídeo do cantaor Chano Lobato, onde ele conta  como foi a noite em que tudo aconteceu, e achei interessante compartilhar.

O ano era 1934, teatro Villamarta, e lá estavam Pilar López, Rafael Ortega, La Macarrona, La Malena, Niño de Gloria para se apresentarem em um espetáculo chamado Las Calles de Cádiz.

Chano Lobato conta que Ignacio Espeleta (1871 – 1938) tinha que cantar para as bailaoras do corpo de baile que dançariam por Alegrías. Eram Juana Vargas ‘La Macarrona’ e Magdalena Loreto ‘La Malena’. Quando começou a música, ele não se lembrava da letra pois estava “bien puesto”, ou em bom português, bêbado. Assim, improvisou qualquer coisa com o que veio à cabeça na hora e as bailaoras, que tinham que dançar para receber seu cachê, seguiram bailando.

Dizem que desde então essa glossolalia se converteu em introdução, salida ou temple de voz para este palo flamenco. Por curiosidade, foram Pericón de Cádiz e Manolo Vargas que popularizaram e preservaram a tradição de cantar o tirititrán no início das alegrias, que continua até os dias de hoje.

Confere aqui o cantaor Chano Lobato contando a história do tirititrán e cantando por Alegrías ao final, por supuesto. Olé!