LORCA E O FLAMENCO: CURSO ON-LINE

A partir do dia 14 de janeiro, as professoras Denise Baptista (língua e cultura espanhola) e Silvia Canarim (flamenco) ministrarão um curso on-line unindo duas de suas paixões: o poeta Federico García Lorca e o Flamenco. Em Leyendas del Tiempo: Lorca y el Flamenco, Denise e Silvia apresentarão a relação do poeta mais universal da língua espanhola com a arte flamenca.

Além de ter nascido no berço do Flamenco, Lorca relacionou-se com as várias manifestações desse gênero ao longo de sua vida, assim como os artistas flamencos adotaram sua obra como fonte inspiradora. O programa contempla a introdução à biografia do escritor, as diversas vezes nas quais ele se inspirou no universo flamenco para compor suas obras ou mesmo para organizar o famoso Concurso de Cante Jondo de 1922 ao lado de Manuel de Falla e, como não, as diversas obras de artistas da Espanha e do Brasil que renderam homenagem ao andaluz.

Além de suas carreiras individuais, as professoras Denise Baptista e Silvia Canarim já desenvolveram diversos projetos artístico-culturais em parceria. Entre eles, o musical LORQUIANAS, baseado nas canções populares antigas compiladas e gravadas por García Lorca e a bailarina Encarnación López “La Argentinita” em 1931. Lorquianas foi desenvolvido ao lado da cantora e compositora Simone Rasslan e da cantora e pedagoga Vanessa Longoni, que fará uma participação especial no curso. 

Inscrições e maiores informações: bit.ly/silvia-cursos ou pelo e-mail: historiadoflamenco@gmail.com.

SERVIÇO

O que: Curso on-line Leyendas del Tiempo: Lorca y el Flamenco
Quando: dias 14 (qui), 19 (ter), 21 (qui), 28 (qui) de janeiro de 2021.
Horário: das 18h30 às 20h
Plataforma: Zoom
Assessoria de imprensa: 51 98146-4045 (Silvia)


SOBRE AS PROFESSORAS

Denise Baptista. Foto: Cláudio Etges

Denise Baptista
Professora de língua e cultura espanholas. É doutora em Linguística pela Università degli Studi di Bari Aldo Moro na Itália e especialista em Língua e Literatura Espanhola pela Agencia Española de Cooperación Internacional de Madri. Licenciada pela PUCRS, vem trabalhando no ensino do idioma, cultura e literatura espanhola há 32 anos. Foi professora do Instituto de Cultura Hispânica da PUCRS, da Universidade de Caxias do Sul (UCS), da Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS) e dos Colégios Farroupilha e Anchieta de Porto Alegre. Além das atividades regulares de ensino de espanhol, a professora Denise Baptista desenvolve projetos artístico-culturais, como o musical LORQUIANAS, baseado na obra de García Lorca, espetáculo que criou em parceria com Silvia Canarim, Vanessa Longoni e Simone Rasslan.

Silvia Canarim. Foto: Cláudio Etges

Silvia Canarim
Bailarina, coreógrafa, pesquisadora e professora de dança flamenca. Diretora da Cia Silvia Canarim – Flamenco e Contemporaneidade. É uma das pioneiras da vertente contemporânea do gênero artístico no país. Dedica-se ao flamenco profissional há 27 anos. É mestre em Artes Cênicas pela UFRGS e especialista em Dança pela PUC-RS. De 2008 a 2010, viveu em Sevilha para realizar sua formação em “Estudios Avanzados en Flamenco” do Programa de Doutorado da Universidade de Sevilla. Atuou, dirigiu e coreografou diversos espetáculos, entre eles: LORQUIANAS, baseado no disco Canciones Populares Españolas gravado por Lorca em 1931 e A CASA, que tem como base a obra teatral “A Casa de Bernarda Alba”, do autor granadino. O espetáculo recebeu quatro Prêmios Açorianos, entre os quais, o de Melhor Espetáculo de Dança e o de Melhor Trilha Sonora.

De onde vem o tirititrán?

2 Pilar Lopez 1Na minha classe de flamenco, eu já tinha escutado da maestra Silvia Canarim que havia sido o cantaor gaditano Ignacio Espeleta, o criador do famoso tirititrán das alegrías. Mas agora encontrei um vídeo do cantaor Chano Lobato, onde ele conta  como foi a noite em que tudo aconteceu, e achei interessante compartilhar.

O ano era 1934, teatro Villamarta, e lá estavam Pilar López, Rafael Ortega, La Macarrona, La Malena, Niño de Gloria para se apresentarem em um espetáculo chamado Las Calles de Cádiz.

Chano Lobato conta que Ignacio Espeleta (1871 – 1938) tinha que cantar para as bailaoras do corpo de baile que dançariam por Alegrías. Eram Juana Vargas ‘La Macarrona’ e Magdalena Loreto ‘La Malena’. Quando começou a música, ele não se lembrava da letra pois estava “bien puesto”, ou em bom português, bêbado. Assim, improvisou qualquer coisa com o que veio à cabeça na hora e as bailaoras, que tinham que dançar para receber seu cachê, seguiram bailando.

Dizem que desde então essa glossolalia se converteu em introdução, salida ou temple de voz para este palo flamenco. Por curiosidade, foram Pericón de Cádiz e Manolo Vargas que popularizaram e preservaram a tradição de cantar o tirititrán no início das alegrias, que continua até os dias de hoje.

Confere aqui o cantaor Chano Lobato contando a história do tirititrán e cantando por Alegrías ao final, por supuesto. Olé!

VIVÊNCIA FLAMENCA ONLINE NO INSTITUTO CERVANTES

Para quem curte a dança flamenca, o Instituto Cervantes preparou um workshop muito especial com a bailaora “Perlita” Miri Galeano e guitarrista Jony Gonçalves.

“Vivência Flamenca para Iniciantes” é um evento gratuito e online pela plataforma zoom, onde os participantes aprenderão sobre esta arte e poderão vivenciar a entrega à magia e à profundidade da dança flamenca. Uma aula para descobrir as diversas possibilidades de expressão do corpo através das emoções e técnicas desta arte.

📅 Data: 05 de junho
⏰ Horário: 10h
📍 Evento online e gratuito pela plataforma ZOOM: “Vivência Flamenca para Iniciantes” com Miri Galeano e Jony Gonçalves.
📧 Inscrições e mais informações no e-mail: bibcuri@cervantes.es

Os Institutos Cervantes de Curitiba, Recife e Salvador de Bahia, organizam esta oficina de dança flamenca.

MARATONA flamenco fest

Dois dias de muito flamenco vão rolar online e ao vivo com artistas brasileiros e espanhóis no início de maio. Será nos dias 01 e 02 de maio, sábado e domingo, com uma programação muito especial de aulas de expressão corporal, coreografias, técnica flamenca, castanholas e um tablao de encerramento no final.

Confere abaixo a programação:


Desde a Espanha, estarão presentes Sara Nieto, Yara Castro e Fernando de la Rúa. Do Brasil, os artistas convidados são Karina Maganha, Fábio Rodríguez, André Pimentel, Deborah Nefussi, Iracy Prades. Será um pacote com 7 aulas ao vivo pelo zoom, com valor de 100,00.
As inscrições devem ser feitas pelo whatsapp: 11 977622350.

Dia 2 de Maio, às 18h30, acontecerá o TABLAOFEST, um espetáculo de tablado online com transmissão ao vivo através do canal do Flamenco Fest no Instagram. Também haverá o sorteio de 5 kits Flamencofest para todos que contribuírem voluntariamente com o Tablao. As contribuições serão revertidas 100% para os artistas.

O SOM DA MADEIRA EM CENA

Quatro bailarinas com formações em dança flamenca traduzem através da sonoridade do violão, dos corpos e das possibilidades que os elementos feitos de madeira como a castanhola, leque, baston, bata de cola, cajon e os saltos dos sapatos proporcionam.
Trilha sonora: Thiago Colombo
Música feita no sul com sotaque internacional. Dança com mescla de estilos entre o Flamenco e o folclore “sureño”.

«Que suene la madera»

Dia 29 de outubro de 2020 (quinta-feira)
Início: 20h
Canal do CHC no You Tube.

A exibição acontece pelo canal do CHC no YouTube, no dia 29/10, a partir das 20h. O link será disponibilizado através da plataforma Sympla.

Ingressos em: https://www.sympla.com.br/chc-teatro–som-da-madeira-chconeta__1016765

Fotos: Fábio Zambon.

FLAMENCO EM CASA DIRETO DE JOINVILLE

O Flamenco em Casa é um conjunto de 4 vídeo aulas de cunho prático/teórico voltado para a formação de público para a dança flamenca. Este projeto foi contemplado pelo edital #SCulturaEmSuaCasa que tem como propósito fomentar atividades de formação e capacitação artística como esta, promovidas por artistas catarinenses que foram impactados pela pandemia do Covid-19. A proposta do Flamenco em Casa é envolver o participante através de uma vivência prática de dança conectada aos conceitos teóricos do flamenco, oferecendo de forma acessível e basilar o conhecimento dos pilares desta arte. A formação será conduzida pela professora e criadora do projeto, Erika de Moura.

O acesso à fruição e formação de público para o flamenco ainda é limitado no estado de Santa Catarina, sendo que esta arte é patrimônio cultural imaterial da Humanidade identificado pela Unesco desde 2010. Com o Flamenco em Casa será possível estender o acesso para um público amplo e sem fronteiras físicas, pois todo o processo acontecerá de forma online. Todas as vídeo aulas do projeto Flamenco em Casa serão transmitidas acompanhadas por um intérprete de Libras e audiodescrição ao vivo a fim de permitir acesso das pessoas com deficiência auditiva e visual ao conteúdo.

O Flamenco em Casa será realizado em quatro encontros entre os dias (09 e 10 de outubro e 16 e 17 de novembro), duas sextas-feiras e dois sábados. Aula 1 (09/10) início às 19h, término às 20h30; Aula 2 (10/10) início às 16h, término às 17h30); Aula 3 (16/10) início às 19h, término às 20h30;  Aula 4 (17/10) início às 16h, término às 17h30), todas com transmissão em tempo real totalizando 6 horas de atividade.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através de formulário online disponível no site: https://flamencoemjoinville.com/flamenco-em-casa Cada vídeoaula terá duração de 90 min e será transmitida ao vivo via plataforma Google Meet. Será permitido o acesso de até 100 participantes por vídeo aula (limite da plataforma). Os participantes terão acesso gratuito e ilimitado às vídeoaulas. O conteúdo será gravado e disponibilizado para os participantes após cada aula mediante o envio do link de gravação por email.

São nosso público homens e mulheres sem restrições ou limite de idade. Não há pré-requisitos para participação, nem mesmo ter experiência ou conhecimento de dança flamenca.

Mais informações no site: https://flamencoemjoinville.com/flamenco-em-casa
Ou através do contato (47) 996353593 (telefone e WhatsApp) 

Esta é uma realização do Flamenco em Joinville, produzida pela Baillarte Produções Culturais e apoiada pelo edital #SCulturaemSuaCasa da Fundação Catarinense de Cultura do Governo do Estado de Santa Catarina. 

Sete Espetáculos na Bienal de Sevilla On-line e ao Vivo

SETE ESPETÁCULOS DA BIENAL DE FLAMENCO DE SEVILLA 2020 SERÃO TRANSMITIDOS ON-LINE E AO VIVO, DESDE O REAL ALCÁZAR, TEATRO LOPE DE VEGA, IGLESIA DE SAN LUIS, TEATRO CENTRAL E O CENTRO ANDALUZ DE ARTE CONTEMPORÂNEO.

As emissões serão abertas, de forma gratuita e poderão ser vistas através do canal youtube da Bienal.

A XXI Bienal de Flamenco contempla para esta edição o streaming como via de transmissão para sete dos seus espetáculos.

Como já havia comentado no dia da apresentação da programação seu diretor, Antonio Zoido, “A Bienal conta com um importante público estrangeiro que se desloca a cada edição para assistir aos espetáculos e atividades programados. França, Estados Unidos, Japão, Alemanha e Itália, entre outros países, aportam mais de 30% do total de espectadores”.

Pensando em todos aqueles que amam o flamenco e que, pela situação de crise sanitária mundial, não poderão estar presentes na cidade de Sevilla, foram selecionados espetáculos de cante, baile e toque flamencos para que de forma aberta, gratuita e ao vivo no dia da estreia possam ser assistidos.

A seleção de espaços foi realizada tendo em conta seu grande valor arquitetônico. São o Real Alcázar, a Iglesia San Luis de los Franceses, o Centro Andaluz de Arte Contemporáneo (Monasterio de la Cartuja), Teatro Central e o Teatro Lope de Vega.

Real Alcázar de Sevilla

Da mesma forma, os espetáculos que serão transmitidos on-line foram minuciosamente escolhidos com o propósito de poder satisfazer os gostos musicais dos aficionados do flamenco, considerando as disciplinas de cante, baile e guitarra estejam representadas.

Começará no dia 4 de setembro, desde o Alcázar de Sevilla. A apresentação da programação geral e o flashmob poderão ser assistidos de qualquer parte do mundo. O guitarrista Rafael Riqueni compôs umas sevillanas que tiveram sua estreia na entrega do prêmio Giraldillos de la Bienal da edição passada. Antonio Canales e María Moreno dançarão as sevillanas (que foram ensinadas por eles ao longo dos últimos meses no canal do youtube da Bienal e nas redes sociais) acompanhados à distância por todos os amantes do flamenco que a aprenderam e bailarão junto em seus lugares de origem.

Todos os espetáculos poderão ser vistos no canal youtube da Bienal de Flamenco. A Bienal de Flamenco é um projeto do Instituto de la Cultura y las Artes del Ayuntamiento de Sevilla (ICAS) e conta com a colaboração institucional da Junta de Andalucía, Instituto Nacional de las Artes Escénicas y de la Música (INAEM) del Ministerio de Cultura, e da Diputación de Sevilla; patrocinio de: Fundación Cajasur y ABC; com a colaboração dos meios de comunicação: RTVADiario de SevillaCadena SERCadena Cope y Onda Cero; e o apoio de: Real AlcázarCONTURSATurismo de SevillaBarbadilloONCE, Universidad de Sevilla, Universidad Pablo de Olavide, Universidad LoyolaAgencia Andaluza de Promoción Exterior (Extenda), ASETCasas PalacioTUSSAM Gerencia de Urbanismo.

Mais informações sobre a programação no site oficial: www.labienal.com

Calendário Streaming:

FLASHMOB       4 de set. 20.30 horas.

ESPETÁCULOS:

ROCÍO MOLINA(Dois espectáculos)6 de set. 13 y 21 horas.11 de set. 21 horas e 12 de set. 21 horas.
FAHMI ALQHAI/ PATRICIA GUERRERO16 de set. 21 horas.18 de set. 21 horas.
ANDRÉS BARRIOS24 de set. 22 horas.25 de set. 21 horas.
JOSELITO ACEDO26 de set. 22 horas.2 de out. 20 horas.
LA TREMENDITA29 de set. 20.30 horas.2 de out. 22 horas.
DORANTES30 de set. 21 horas.4 de out. 20 horas.
ANDRÉS MARÍN3 de out. 21 horas.4 de out. 22 horas.

Lançado o cartaz da XXI Bienal de Flamenco Sevilla 2020

13/12/19

Na atual sede da Bienal de Flamenco, o Centro de Cerâmica Triana, o cartaz anunciando a XXI Bienal de Flamenco foi apresentado ao mundo. Sua celebração acontecerá de 4 de setembro a 4 de outubro de 2020.

Com a presença do delegado de Habitat Urbano, Cultura e Turismo Antonio Muñoz e o diretor da Bienal, Antonio Zoido foi conhecido o trabalho final que manteve a pintora vinculada a um longo processo criativo que hoje vê a luz. O delegado comentou: “A Bienal de Flamenco sempre esteve em contato com outras artes, especialmente as artes plásticas. Sua coleção de pôsteres, pela alta qualidade dos trabalhos realizados, proporciona a Sevilha um novo salão de exposições ”.

O diretor da Bienal de Flamenco teve os primeiros contatos com Lita Cabellut no mês de maio. A partir desse momento, o pedido da Bienal foi o eixo central de seu trabalho. Em seu estúdio, na Holanda, criou a figura de uma mulher com um vestido de flamenco em vermelho e preto, o que representa para ela uma mulher flamenca “timidez e coragem ao mesmo tempo”.

Ele queria que seu trabalho fosse o resultado de um processo criativo de colaboração artística. Queria trabalhar com a fusão de diferentes disciplinas artísticas no mesmo ato, criar conceito e imagem no tempo. Desse modo, sendo uma encomenda da Bienal de Flamenco, teria que ter uma intervenção de um artista de flamenco. Foi escolhida a bailaora malaguenha Rocío Molina que, na Fábrica de Artilharia de Sevilla, desconstruiu a obra, sapateando na tela como se fosse o piso de um palco efêmero. Mas havia também a voz flamenquíssima de Juana la del Pipa. Essas imagens rodaran do mundo. Lita Cabellut assistiu cada golpe de tacón que desconstruía seu trabalho. A voz da jerezana Juana la del Pipa ecoou o flamenco em um espaço imponente, devido a sua arquitetura e dimensões.

O encontro entre Lita e Rocío significou reconhecimento e admiração entre elas. A pintora já havia ficado impressionada quando a viu dançar pela primeira vez em Barcelona. Por sua parte, a bailaora recebeu esse convite como um elogio.

Cabellut tem uma técnica pictórica única. É o resultado de anos de pesquisa. A uma metodologia criativa dinâmica e a uma técnica rigorosa e experiente, a artista acrescenta a manipulação-ruptura da rachadura de suas telas. O craquelado da tela é fragmentado, decomposto nesta ocasião, não pelas mãos de Lita, mas pelos pés de Rocío. O trabalho segue a linha de criação que lhe permite construir e destruir. Com esta desconstrução, ele preparou o pôster da XXI Bienal de Flamenco.

Fonte: labienal.com

Festival Flamenco do Tablado Andaluz em Porto Alegre

De 28 a 30 de novembro acontece a 6ª Edição do Festival Flamenco Tablado Andaluz em Porto Alegre. Serão três noites de celebração da autêntica arte flamenca e da gastronomia espanhola, integrando artistas flamencos do Brasil e da Espanha.

Nesta edição, o Tablado recebe convidados especiais: o cantaor José Anillo (Sevilla/España), o guitarrista Ale Palma (Curitiba/Brasil), Pedro Fernández (cante e baile/Porto Alegre/Brasil), além das bailaoras convidadas Ana Cândida Amaral (Campana Flamenca / Novo Hamburgo), Graziela Silveira (Canoas) e Andressa Porto (Núcleo Zahara Flamenco).

O Tablado Andaluz faz parte da história do flamenco no Brasil. Foi a 1ª Escola de Dança Flamenca registrada e o 1º Tablao do Brasil. É o berço de grandes artistas flamencos, traz artistas internacionais desde 1994 e se transformou em uma referência da arte flamenca dentro e fora do Brasil.

Os “Tablaos”, como ficaram conhecidos na Espanha, são descendentes dos Cafés Cantantes, que surgiram na Europa no final do século XIX. Nestes cafés, artistas se reuniam em noites repletas de cante e arte. Foi um importante local para a consolidação do flamenco. O primeiro café cantante foi fundado em Sevilla e funcionava no 2º andar de uma escola de Baile. Por isso, recebeu no nome de Café Cantante de “La Escalerita”. Com o êxito de “La Escalerita”, logo outros Cafés Cantantes incorporaram em seu repertório, tradicionalmente operístico, números flamencos dando um grande suporte e impulso no desenvolvimento desta arte. Em Porto Alegre, o Tablado Andaluz repete este processo e, com pioneirismo, escreve a história do flamenco no Brasil.

CONVIDADAS

CONVIDADO ESPECIAL

José Anillo - foto: Ana Nicolau
José Anillo – Nascido em Cádiz, em 9 de julho de 1978, começou sua carreira com apenas 12 anos cantando em distintas escolas de Cádiz e em diversos festivais de flamenco junto de sua irmã, Encarna Anillo. Sua carreira profissional, no entanto, iniciou aos 17 anos, no Teatro de la Villa de Madrid e no Gran Teatro Falla de Cádiz com a companhia de Manuela Carrasco. Posteriormente trabalhou em companhias como Cristina Hoyos (Arsa y Toma. Al Compás del Tiempo), Israel Galván (Arena, Galvánicas, Torero Alucinógeno), Andrés Marín (Más Allá del Tiempo), Juan Manuel Fernández “Farruquito” (Farruquito y Familia, Alma Vieja, Los Farrucos etc.), Rocío Molina (Turquesa Como el Limón, Almario, Preludios Flamencos). Além de trabalhar com Antonio Canales, Joaquín Grilo, Toni “El Pelao”, Rafael Campallo, Alfonso Losa, Belén Maya, Manuel Liñan, Olga Pericet e Marcos Flores. Em 2007, colaborou no documentário “The Last Conquistador”, do diretor Jhon Valadez e música do compositor Richard Martínez. Em sua carreira solo copartilhou o palco com  Carmen Linares, Chano Lobato, Mayte Martín, Miguel Poveda, Duquende, Juan Villar, Enrique Morente, Arcángel, José Mercé, La Cañeta de Málaga, El Chino, Encarna Anillo.

AGENDA DE SHOWS

5ªFeira: Abertura com a Banda FLAMENCURA e a participação do Cantaor Jose Anillo Salazar (Sevilla/España) no cante e Pedro Fernández no Baile.

6ªFeira: Show flamenco com Tablado Andaluz e a Escuela de Baile Flamenco Graziela Silveira

Sábado: Show Flamenco com Tablado Andaluz, Ana Cândida Y Campana Flamenca e Andressa Porto Y Zahara Flamenco.
GASTRONOMIA

– CENA COMPLETA: Entradas (Tapitas), Buffet com Paellas VALENCIANA e VEGANA, Buffet de Saladas e acompanhamentos e Sobremesa

– TAPAS individuais: Tortillas, Boñuelo (Peixe com camarão, vegano e carne), azeitonas, ce Montaditos.

SERVIÇO:
6º Festival Flamenco Tablado Andaluz
Dias 28, 29 e 30 de novembro/2019
Tablado Andaluz – Av. Venâncio Aires 556a / Cidade Baixa – Porto Alegre/RS                          O espaço abre às 19h. Os shows acontecem às 22h
http://www.tabladoandaluz.com.br

Foto de capa: Ana Nicolau

Fuente y Caudal: Música e Dança Flamenca ao Vivo

Nesta quinta, véspera de feriadão, acontece o espetáculo Fuente y Caudal, com os alunos do Flamenco Silvia Canarim, no Teatro do SESC, centro em Porto Alegre, com direção da própria Silvia Canarim.

Fuente y Caudal traz uma coletânea de coreografias que Silvia Canarim trabalhou ao longo de seus 25 anos de carreira como coreógrafa, professora e pesquisadora de flamenco. As coreografias realizam uma incursão pelos dois conceitos que norteiam a obra e também o trabalho da artista: a primeira, Fuente, ligada à tradição da dança e da cultura flamenca e a segunda, Caudal, ao caminho criativo que se pode percorrer a partir de uma base poética.

Ingressos: R$ 60,00 inteira e R$ 30,00 meia entrada (por lei).
No site: https://www.sympla.com.br/fuente-y-caudal–flamenco-silvia-canarim__691257
Ou com o grupo.

FICHA TÉCNICA
Direção geral: Silvia Canarim
Coreografias: Cintia Ruela, La Choni, La Truco, Luciano Orrigo, Miguel Alonso, Silvia Canarim
Guitarra flamenca: Alê Palma
Cante: Isadora Arruda
Cajón: Rafael Melo
Flauta: Léo Dias
Criação e operação de luz: Fabrício Simões
Sonorização: Mateus
Figurinos: Silvia Canarim, Lunares Flamenco, Naray Pereira, Riatitá
Arte gráfica: Michelle Richter
Produção: Lúcia Czamanski e Michelle Richter
Assistência de Produção: Valéria Calvi
Apoios: Flamenco por Aí, Centro Espanhol
Foto de capa: Cláudio Etges

De Sevilha a Brasília

No final do século 19, a Espanha passou a ser visitada por um número cada vez maior de viajantes em busca de algo diferente daquilo que estavam acostumados a vivenciar em seus países de origem. Muitos deles, encantados com o que viram, deixaram registrados testemunhos escritos e plásticos de sua visão do país, especialmente da Andaluzia, criando um imaginário que se difundiu por meio de livros de viagem por toda a Europa.

Com o passar do tempo, mais e mais pessoas se sentiram impulsionadas a experimentar tais aventuras e emoções, aproximando-se, assim, das manifestações artísticas e culturais andaluzas, entre elas, o Flamenco.

Passados mais de 150 anos desde o início deste movimento, a Andaluzia ainda encanta e atrai milhares de viajantes no mundo todo. Ali, é possível mergulhar de uma forma especial na arte flamenca.

E será por meio dos bailes mais consagrados nas províncias andaluzas que a Oficina Flamenca levará o público do seu novo espetáculo “De Sevilha a Brasília” a uma viagem emocionante que contará com a presença de professoras, alunas e alunos da escola.

nov-of-patricia

A apresentação, assinada pelas irmãs Patrícia e Renata El-moor, será no dia 29 de novembro no Teatro dos Bancários de Brasília, às 20h30. Os ingressos custam 60 reais (inteira) e 30 reais (meia entrada, incluindo 1 kg de alimento não perecível entregue na hora do espetáculo) e poderão ser adquiridos na secretaria da escola e na bilheteria do Teatro a partir do dia 4 de novembro.

Link para o evento no Facebook https://www.facebook.com/events/533384917222213/

Classificação indicativa: Livre
Maiores informações pelo Whatsapp 61 999017374
Produção Oficina Flamenca – Brasília – DF